CAMP-Pinheiros meu dia de palestrante

Nesta ultima quinta em meu dia de aprendizagem (meu trabalho em dia de teoria) fiquei surpreso com o convite que a professora Tatiana me fez, pediu para que eu falasse um pouco da vida de aprendiz e como foi o QP (qualificação profissional) para mim, na verdade eu fiquei com um pouco de receio pensei “o que e vou falar para esse povo!" entrei na sala de QP em aproximadamente 50 alunos, todos de uniforme, lembrei de como tinha sido meu QP, como era está ansioso para ser chamado a uma entrevista em alguma empresa, como esperava a minha oportunidade e via nos olhos de todos aqueles, mas também via aqueles que não tinham muita expectativa, poucos que estavam ali por está, mas o legal que foi isso que passei para a turma.

Meu pouco tempo de "palestrante" foi legal creio que passei pouca coisa, mas necessária para a galera, me interagir, e fui informal, isso foi uma das coisas que fizeram o pessoal prestarem atenção em mim.

Falei da parte legal e também da parte chata do QP, isso é bom para que eles fiquem cientes que nada é fácil, entrar no mercado de trabalho principalmente, mas que eles deveriam levar a sério o CAMP (Centro de aprendizagem e monitoramento profissional). Essa instituição da qual eu sou funcionário foi um "trampolim" para mim, hoje sou terceirizado e presto serviços a uma empresa estatal do estado de São Paulo, Uma instituição dessas que dá a oportunidade aos jovens de ingressar no mercado de trabalho deve ser valorizada por todos, principalmente os jovens que fazem parte dessa instituição. Acredito que os educadores que lá estão acreditam no projeto. Foi isso que tentei passar para a galera não com essas palavras, mas com a mesma essência.